Pesquisar

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Paladar de viajante.

Uma das melhores coisas de viajar é comer! Novas paisagens, novos sabores. Eu sou daquelas que olha a lista gastronômica local antes da viagem para ter uma noção do que vou degustar e onde encontrar os quitutes.

Neste último feriado fui a Paraty, famosa cidade histórica do estado do Rio, fazendo divisa com Sampa. Após um percurso que levou pouco mais de 4h por paisagens montanhosas que terminou beirando o litoral, eu cheguei ao meu destino com fome, pra variar. Lógico, almocei um saduichinho com água de coco às 11h da manhã! Então, deixei minha bagagem na pousada, troquei o tênis pelo chinelo e sai pelas redondezas. Como os meus outros 7 companheiros de avetura não haviam chegando ainda, fui fazer o reconhecimento territorial até mesmo para saber dos melhores lugares para comer.

Logo dei de cara com o centro histórico e comecei a perambular pelas ruas de pedras irregulares de Paraty. Fim de tarde, casinhas antigas e coloridas, lojas de artesanato e de repente encontro a rua das cafeterias. Eu e as cafeterias temos uma relação muito magnética... Escolhi o Café Blend Paraty pra começar minha viagem gastronômica. O lugar é todo em acabamento de madeira ornamentando a estrutura de pedra e o pé direito enorme do sobrado antigo. Sentei na varandinha, olhei o cardápio e pedi o sanduíche de pão ciabata, lombo canadense, catupiri, alface e tomate, acompanhando, suco de melancia. Alguns minutos depois a atendente trouxe o sanduíche todo lindo num pratinho branco retangular com o suco numa jarra de vidro. Que de-lí-cia! Valeu cada centavo.

Mais tarde, enquanto aguardava a galera, tomei um caldo de siri no restaurante Santa Rita. Eu adoro frutos do mar, o caldo estava ótimo, mas eu sempre fico enjoada no meio do prato. Isso já aconteceu uma vez quando tomei caldo de camarão. É bom, mas não consigo comer muito. Vou registrar bem isso pra só tomar caldo a partir de agora quando for um copinho.

No dia seguinte, após o café da manhã com iogurte, granola, mel, suco natural, torrada com manteiga e bolo (ufa!), partirmos para conhecer Trindade. Lugarejo lindo, cheio de gente acampando, quiosques e uma enseada extensa verde esmeralda pela qual caminhamos em rochas e trilhas até o ponto mais distante da praia. Nesse meio tempo, teve lula à dore, pastel de queijo, água de coco e afins de beira de praia. Como não encontrei opções mais saudáveis, tive que me render às iguarias locais antes da caminhada. Alimentação saudável à parte, os quitutes estavam deliciosos. À noite, carreguei todo mundo pro Café Blend pra um lanchinho. Os pães de queijo recheados, capuccinos gelados e quentes e croissants fizeram um sucesso! Mais tarde, assistimos o jogo Brasil x Argentina num restaurante de frutos do mar chamado Sabor do Mar. O suco de manga que pedi veio aguado, mas a feijoada e a caldeirada de frutos do mar estavam boas. Na verdade foi o lugar que menos gostei. Cardápio salgado no preço e apenas bom no sabor. O destaque ficou pro garçom que torcia mais pelo jogo do que atendia. Figura!

No domingo, o almoço foi improvisado no meio da visita às cachoeiras. Empada e isotônico pra tapear e suspiro pra suprir necessidades de glicose ao longo da caminhada. Depois, enquanto o pessoal se aventurou no arvorismo, eu provei o panini da dona francesa do lugar. Divina combinação de ciabata, queijo, tomate e pesto. Superbe! Fora o papo descontraído com a frrrrrancesa super simpática, falando português cheio de sotaque. Pro jantar, ficou o restaurante tailandês, onde degustamos pratos exóticos misturando camarão, curry, amêndoas, cebola roxa entre outros ingredientes. Quem pediu suavemente apimentado suou na hora de comer. Fiquei imaginado o que seria o muito apimentado... A decoração do lugar cheio de frutas, estampas de onça e flores é sensacional! Nem acredito que a gente ainda tomou sorvete antes. Destaque para o de gengibre. Todos cremosos e saborosos. My God!

No último dia, após o banho de lama no mangue, almoçamos no bar 33 onde não conseguimos ir durante todo o feriado. É o pub da cidade, música ao vivo e tal. Fizemos uma refeição padrão churrasco porque não aguentávamos mais frutos do mar. Conheci o molho argentino chimichurri (salsinha, o alho, o vinagre e o azeite de oliva), aprovadíssimo! Depois mais sorvete...

Olha, é comum sairmos da dieta quando estamos viajando e mais comum ainda termos a tendência a sentir vontade de comer mais que o habitual quando voltamos pra casa. Então, minha recomendação é: retome sua alimentação cotidiana e espere alguns dias até que o organismo se readapte. Se estiver indisposto, utilize chás, sucos naturais e alimentos com pouca gordura. É o que estou fazendo depois dessa aventura gastronômica.

Da próxima vez, acho que vou ficar mais tempo pra poder degustar sem pressa e sem sobrecarregar meu sistema digestivo.

E olha que ainda faltou metade dos restaurantes e afins pra conhecer...