Pesquisar

domingo, 15 de março de 2009

Fome de presença

Concordo com a Clarisse Lispector quando ela diz que a fome de presença é a mais insuportável. A barriga não “ronca”, a pressão não baixa, mas fica um igual vazio. Falta um recheio açucarado, uma pimenta, um sal... Imagina se for a presença de alguém que você não conhece ainda... Você nunca se sacia, nunca se encerra a sua jornada de degustador do mundo. Se há uma dinâmica caótica onde buscamos resultantes através de variáveis que denotam uma certa insensatez, embora nos conduza para nós mesmos, não sei... No fundo, essa fome é uma busca por espelhos que nos digam como somos lindos e especiais, mesmo quando não é dito. O vidro aparentando rigidez, na verdade é fluído de uma maneira peculiar e pouco compreendida. Há dias em que a folha espelhada nos revela como monstros primitivos com um olhar cruel e egoísta. Nem sempre estamos bem humorados... Há dias para sermos a manifestação humana de Zeus, tão irresistíveis como um dia de sol à beira mar. E tantos são os dias de normalidade nos quais somos um pouco de tudo isso. Quem resiste à fome de alguém como testemunha? Alguém que chegue tão perto a ponto de arriscar se ferir nos nossos defeitos para depois se curar nas nossas virtudes...

6 comentários:

Mattheus Rocha disse...

Ótimo texto.

Me lembrei daquela frase: "Saudade do que não vivemos ainda".

Sinto bastante isso. Acho que é o motor da melancolia.

Mônica Lobo disse...

Ou seria aquele tempo eterno que perdura antes dos nossos momentos de felicidade. Pelo menos para quem espera demais do mundo e exige demais de si mesmo. Vai saber...

Alexandre Soma disse...

Meu espelho, a vida levou, a saudade pisou e minha alegria recriou. Deixei Talia ser a felicidade que já me habitava, mas não me decorava. Agora, as luzes estão acesas, a porta pintada de cor berrante e as janelas correndo leves cortinas do amanhã muito melhor.

Maninha, te amo!

Mônica Lobo disse...

Pronto pra festa! ;-)

Tatiana disse...

Amigaa...!!!
Nossa me identifiquei nesse texto...!!
É exatamente como tenho me sentido...não sei se é bom ou ruim mas...hehee...!!!
Adorei...!!
Bom estar de volta postando no seu blog que está cada vez melhor...!!!
Um beijo

Mônica Lobo disse...

Acho que é bom porque indica que você tem sentimentos e ruim porque indica que você não os compartilha como deseja. Não se aflija, você não está só!

Beijocas.