Pesquisar

terça-feira, 15 de abril de 2008

Meu bel-prazer.

Dentro de um Café (digo o lugar, não a bebida), fica fácil imaginar porque gosto tanto de estar lá. Há um bem charmoso perto da minha casa, no centro de Niterói, ao alcance do meu apetite de saborear aquelas infernais iguarias cafenianas.

Noutro dia descobri (degustando, claro!) que fazem lá um waffle maravilhoso, tão bom quanto o que costumo comer no centro do Rio. Confesso que, a enorme livraria que ornamenta o café do centro do Rio dá um charme a mais pro lugar; por outro lado, o torna barulhento demais também. O Café da minha vizinhança tem a característica essencial de ser silencioso. De lá de dentro pode-se ver pessoas com passos frenéticos cruzando a calçada, carros acelerando e freando, mas o que prevalece é o som ambiente. A música sempre agradável mergulhada nesta tranqüilidade quase inacreditável faz a visão da rua parecer um daqueles filmes mudos antigos. Só que colorido.

Outro contraste que acho irresistível é o duelo entre o moderno e o rústico. A máquina de café expresso metálica, fervendo, serve o café que acompanha um pão de queijo numa cestinha de palha. Os kits individuais, com bandeja, xícara, pires, tudo personalizado, pra servir um bolo de laranja tão delicioso quanto simples. A madeira do balcão confere ao ambiente um tom acolhedor, enquanto o design das cadeiras nos traz de volta à realidade: é, definitivamente, não estou em casa!

A vaidade de maquiagem, mil roupas e tal que não possuo, aplico ao ato de comer. Além do sabor, gosto que o que como seja bonito. Um waffle dourado com manteiga derretendo em cima e geléia de amora, uma torta de chocolate que de tanto chocolate seja quase preta e brilhante; uma mousse de maracujá bem amarela com suas sementes próprias decorando a superfície. Quem nunca prestou atenção na vitrine de um Café, não sabe o que está perdendo. Aquelas belezuras são pequenas, lindas e bem mais baratas que roupas de moda. E ainda pode comer!

O café e seus subprodutos merecem um parágrafo especial. Não sou fã do café expresso tradicional, prefiro versões mais incrementadas. Sei que vai parecer frescura, mas adoro quando fazem desenhos na espuma do capuccino...A mistura de café, canela e chocolate é a perfeição das combinações quando bem efetuada. Eu me derreto toda. Café com leite, com licor de laranja, com limão, com sorvete de creme... Além dos quentes, há também os gelados: o capuccino e o café tipo frozen são os meus preferidos.

Em janeiro deste ano, tive o prazer de conhecer um Café alojado dentro de uma sala de cinema, no CineSESC-SP, na famosa rua Augusta, localizada no centro da cidade. Aquele episódio foi a realização de um sonho de união de duas paixões: o Café e o Cinema. Assistir ao filme da mesinha do Café foi inacreditável e extasiante. Eu poderia morar lá!

Obs: A foto acima é de minha autoria. Eu bebi esse!!! Lindo!

3 comentários:

Ricardo Soares disse...

fique com vontade desse que vc bebeu... bjs

Mônica Lobo disse...

Pois é, esse só em Frigurgo... Caprichadíssimo!

Bjs.

Tatiana disse...

Oi moniquinha...só de ler deu uma vontade de ir a um café e comer uns docinhos hihihih
beijos